Vila de Ibitipoca: como foi morar no destino turístico e por que mudamos

Vila de Ibitipoca

Você já teve vontade de morar em um lugar onde esteve durante uma viagem? Sinto isso constantemente, principalmente quando vou para lugares pequenos e aconchegantes. No primeiro semestre de 2018, escolhemos a vila de Ibitipoca para morar, e contamos como foi.

Vila de Ibitipoca

A vila de Conceição do Ibitipoca tornou-se famosa graças à Janela do Céu, uma queda de cachoeira que sai da rocha por uma abertura na mata, dando a sensação de que estamos mesmo em uma janela. Tornou-se o principal atrativo turístico e cartão postal do Parque Estadual do Ibitipoca. Aliás, as selfies ali, à beira do penhasco são disputadíssimas!

Nota: Existe uma placa que informa até onde os turistas podem ir, mas ninguém respeita. Em 2016, uma jovem caiu da Janela do Céu ao pisar em pedras escorregadias. Seja consciente! Sua vida vale mais que uma foto!

Não foi pela fama da Janela que chegamos até lá. Na verdade, queríamos um lugar tranquilo para viver, longe da correria e do trânsito da cidade grande. Como o Thiago já conhecia a vila de Ibitipoca e tinha contatos com quem poderia trabalhar, arrumamos as malas e fomos.

Foi uma ótima experiência, que nos fez crescer muito! Sem contar o fato de que toda a tranquilidade nos proporcionou tempo para refletir sobre o que queríamos e foi determinante na nossa decisão de mudar o estilo de vida.

Se você tem planos de viver na vila de Ibitipoca, a gente reuniu aqui algumas informações do período no qual fizemos dela nosso lar (de janeiro a junho/2018). Talvez muita coisa já tenha mudado, porém, pode servir de norte.

Aluguel

De modo geral, não foi tão difícil conseguir um lugar pra morar na vila de Ibitipoca, apesar de que existem considerações a fazer.

Muita gente que tem casa lá mora em cidades vizinhas, como por exemplo Lima Duarte ou Juiz de Fora. Alguns, moram dentro do próprio vilarejo mas têm uma segunda casa para alugar. Então, há muito imóvel disponível.

Por ser um destino turístico, no entanto, é muito mais vantajoso para os proprietários alugar em finais de semana e feriados do que mensalmente. Afinal, se ganha em dois ou três dias o mesmo que ganharia em 30.

Essa é a parte mais difícil: encontrar uma pessoa disposta a locar a casa por um longo período. Não é impossível! A dica é procurar na baixa temporada, já que a procura dos turistas diminui. 

Não há imobiliárias ou empresas que façam intermédio. A negociação é feita diretamente com os proprietários. Enquanto tentamos fazer isso à distância, não conseguimos nada. Por isso, Thiago foi para a vila de Ibitipoca, se hospedou em um camping, e procurou uma casa. Quando ele conseguiu (depois de uma semana tentando), Gilberto e eu fomos pra lá.

Sala da nossa casinha na vila de Ibitipoca.
Nossa casinha em Ibitipoca | Foto: Arquivo Pessoal

A parte boa é que tratar direto com o proprietário diminui uma série de burocracias. É feito um contrato em cartório, estipulando alguns pontos importantes e pronto.

Os valores de aluguel que encontramos (janeiro/2018) partiam de R$ 500, para uma casa simples de 1 quarto. Para nós que tínhamos acabado de sair de Belo Horizonte, achamos os preços ótimos, uma vez que não encontramos esse valor nem para um único quarto, na região central.

Trabalho

A maioria dos empreendimentos da vila de Ibitipoca são voltados para o turismo: camping, pousadas, hotéis, restaurantes, lojas de lembranças, etc. Dessa forma, as oportunidades são nessas áreas.

Na alta temporada, faltam pessoas para trabalhar com atendimento ao público, já que a vila fica muito cheia. Assim, sempre estão em busca de mão de obra.

Thiago tinha trabalho fixo como sommelier de cerveja e garçom. Eu fazia freelancer: finais de semana e feriados, ou datas com eventos, sempre me chamavam para ficar na cozinha de uma lanchonete.

Na baixa temporada, a vila fica vazia, e os trabalhos temporários são incertos. Tenha em mente que pode ser preciso uma outra opção de renda!

Custo de Vida

A vila de Ibitipoca tem uma estrutura básica suficiente: farmácia, padaria, supermercado e açougue.

Os preços (comparados à capital mineira, onde moramos antes) não eram tão altos. Apenas alguns itens supérfluos, o que pra nós era indiferente. Até chegamos a comparar valores entre o mercado da vila e da cidade de Lima Duarte, mas a diferença era pouca e não compensava a distância e o preço do ônibus.

Alguns dos nossos custos:
– Aluguel (casa com 3 quartos): R$ 750,00 / mês
– Conta de Energia: R$ 120,00 (média mensal)
– Conta de Água: R$ 20,00 (média mensal)
– Gás 13 kg: R$75,00
– Passagem de ônibus (Ibitipoca – Lima Duarte): R$17,00
– Caixa de ovos brancos (30 unidades): R$15,00
– Feijão Carioca (1kg): R$ 3,70

Vantagens de Morar na Vila

Pra nós, a maior vantagem de morar em Ibitipoca, sem dúvida, foi a tranquilidade e segurança. Gilberto pode, pela primeira vez, sair sozinho para ir à escola, pra brincar, andar de bicicleta, ir à casa dos amigos, sem que a gente se preocupasse.

Gilberto brincando na vila de Ibitipoca
Gilberto na vila de Ibitipoca | Foto: Mallê

Durante a semana e na baixa temporada, as ruas ficavam vazias. Um silêncio maravilhoso! A gente acordava com o barulho dos passarinhos.

Ter o Parque Estadual do Ibitipoca como quintal de casa também não é nada mal! Para moradores da vila, basta apresentar comprovante de residência que a entrada é gratuita.

Desvantagens de Morar na Vila

Uma das coisas que mais pesou pra gente foi o fato de precisarmos resolver coisas em Lima Duarte todo mês, já que na vila não tem agência bancária. Não temos carro, logo, dependíamos ou do ônibus, ou de carona.

O ônibus é bem caro (R$ 17 até junho/2018). Ida e volta da cidade ficava por quase R$ 40. Só tínhamos a parte da manhã pra resolver as coisas, quando o Beto estava na escola, de modo que nem sempre dava pra esperar as caronas.

Também queríamos estudar e fazer cursos, mas o acesso à internet era bem limitado. Usávamos do chip pré-pago de celular, e os dados acabavam rápido. A única empresa que fornecia WiFi para a vila era muito cara (R$ 450 pela instalação, e R$ 90 mensais por 1MB).

No fim das contas, valeu a pena?

A gente acredita que toda experiência na vida vale a pena como aprendizado. Como dissemos, foi muito importante pra nós essa temporada na vila de Ibitipoca, principalmente para o desenvolvimento do Gilberto, sua autonomia e confiança.

Tínhamos a intenção de passar mais tempo por lá. Porém, nos sentimos limitados em alguns aspectos. Além disso, foi nesse período que paramos pra analisar todas as coisas que estávamos fazendo (ou deixando de fazer) para alcançar nossos objetivos e sonhos, e tomamos a decisão de mudar completamente nosso estilo de vida.

Se você pensa em mudar para o vilarejo, ainda que por um tempo, saiba que vale a pena. E estando ciente dos fatores que a gente descreveu por aqui, dá pra se planejar melhor, né?

Bom, reunimos aqui as informações básicas. Se tiver alguma dúvida, ou outra coisa que você quer saber, deixa nos comentários que a gente responde!