Planejamento Financeiro pra viajar: não é preciso ser rico!

Planejamento financeiro pra viajar

Acreditei por muito tempo que viajar era privilégio de quem tinha dinheiro sobrando. Talvez essa condição garanta mais comodidade e mordomias, no entanto, nada disso nunca foi o meu foco. Eu só queria descobrir o mundo, conviver com pessoas de culturas diferentes, aprender sobre seus hábitos, costumes, sua história… Então, entendi que depende muito mais de um bom planejamento financeiro pra viajar, do que de uma conta bancária recheada.

Sempre que eu pensava em viajar, tinha algum empecilho: falta dinheiro, falta tempo, a faculdade… Perdi tanto tempo acreditando nessas minhas “justificativas”! Até entender que eram, na verdade, desculpas. Era mais fácil. Bastava o coração acelerar por algum destino, que eu o acalmava com alguma dessas “razões”.

Logo que terminei a faculdade, nos mudamos de Belo Horizonte (onde estudei) para uma vila pequenininha no sul de Minas. Queríamos tranquilidade e sossego por um tempo.

A paz era tanta, que o sonho de infância de conhecer o mundo voltou. Automaticamente, as desculpas esfarrapadas também. “Mas a facu…” Ah é! Tinha me formado. “Mas o tempo livre…” Agora eu estava desempregada! E assim foi. Um a um, todos os meus motivos sumiram.

O único que restou foi a falta de dinheiro. Só que agora já era tarde! Eu já tinha me perdido nos mapas e nos livros. Já tinha sonhado alto demais pra voltar atrás! Dessa forma, me restava fazer um bom planejamento financeiro pra viajar!

Qual era a nossa situação?

Decidimos que faríamos a nossa primeira viagem internacional. Apesar de querer muito, nossa situação não era nada animadora.

Tínhamos acabado de nos mudar, e todas as nossas economias tinham ido embora com o frete da mudança, mobiliar a nova casa e organizar a vida. Thiago conseguiu um trabalho como sommelier de cervejas, e eu fazia freelancer nos finais de semana e feriados.

Somando o que nós dois ganhávamos, dava exatamente R$ 2.000 por mês. Com esse dinheiro, precisávamos pagar aluguel, as contas de energia e água, internet, alimentação para três pessoas, gastos da casa como material de limpeza e gás, e custos do Beto com a escola. Ahh! E pra completar, dois meses depois de a gente se mudar, ainda adotamos um cachorro de 40 kg que apareceu na nossa porta! Isto é: ela teve que entrar no orçamento também.

Faz uma conta rápida. Como guardar dinheiro pra viajar assim?

Planejamento Financeiro pra Viajar

O segredo de tudo foi fazer um planejamento financeiro pra viajar. Tendo as despesas na ponta do lápis, saberíamos exatamente onde a gente gastava nosso dinheiro, e em que podíamos economizar.

Despesas mensais na ponta do lápis
Valores pré-estabelecidos e despesas mensais na ponta do lápis | Foto: Mallê

Teríamos exatamente um ano pra guardar as economias. Não é muito tempo, ainda mais com o dinheiro tão justinho. Sabemos que nosso estilo de vida e de viagem é bem minimalista. Gastamos pouco para nos manter. Nesse sentido, apostamos que daria certo e seguimos sonhando.

Disciplina

Se tem algo que foi de extrema importância pra gente, foi aprender a ter disciplina com o dinheiro! Sem dúvida, foi a chave de tudo.

A gente leu muitas dicas na internet e posts em blogs sobre como economizar dinheiro para viajar. Contudo, nada se aplicava à nossa realidade. Coisas como “dispensar a faxineira” ou “deixar de comer em restaurante toda semana” (????). Sempre fui a diarista, cozinheira, mãe, esposa, pet shop, mil e uma utilidades em casa. Restaurante pra gente só servia como fonte de renda fazendo bico nos feriados em que a vila turística ficava cheia.

Tivemos que encontrar a resposta no dia a dia. E foi disciplinando nossos gastos que a gente conseguiu.

Dinheiro com nome

O primeiro passo foi deixar uma única pessoa responsável pelo dinheiro em casa (que no caso, fui eu). Cada centavo que entrava em casa, vinha parar nas minhas mãos. Como resultado, eu tinha total controle do que ganhávamos, o que saía, porque saía, quanto.

Eu recebia por hora trabalhada. Ao final do expediente, pegava o pagamento. Em contrapartida, o Thiago recebia sempre na mesma data, ao final do mês. Se eu gastasse aos poucos o que eu ganhava, facilmente perderia o controle. Portanto, eu guardava até o dia do Thi receber. Juntava tudo e já deixava pronto para o início do mês.

Com os pagamentos em mãos, era hora do dinheiro ganhar nome! Fiz uma lista de todas as nossas despesas e pré-estabeleci um teto para cada uma. Para aquelas que tinham valor fixo (como internet e aluguel, por exemplo), era só separar. Para as despesas que variavam de um mês para o outro (água, energia), eu fazia uma média de acordo com o mês anterior e guardava.

Planejamento financeiro pra viajar: separar dinheiro de cada despesa
Dinheiro separado pra cada despesa: usamos etiquetas para identificar | Foto: Mallê

Uma gaveta na mesinha era só para mim, destinada ao nosso financeiro. Lá eu guardava as anotações, canhotos, notinhas de supermercado, açougue, etc. No primeiro mês foi um pouco mais difícil, pois ainda não tínhamos referências. Depois de pagar as primeiras contas e fazer as primeiras compras, facilita.

Supermercado: o grande vilão!

Muita gente diz que o supermercado é o responsável pela maior parte do orçamento, e que é ali em meio a tantas tentações que a gente se perde. Tivemos atenção redobrada nesse ponto.

Algumas dicas simples, que eu já ouvia da minha avó, surtem efeito: nunca ir ao mercado com fome, levar sempre a lista de compras e não pegar nada além do que está escrito nela.

Além disso, decidimos foi não fazer um grande estoque em casa. A primeira compra que fizemos foi bem completinha, daí começamos a anotar quando cada item acabava. Assim, sabíamos por exemplo, quanto tempo durava um detergente, quantos quilos de arroz ou açúcar precisávamos em um mês, etc.

Passamos a adotar sempre aquela quantidade mensal. Isso ajudou ainda mais a prever nossos gastos mensais.

Sem desperdício!

Com todo esse controle e atenção voltada para o nosso planejamento financeiro pra viajar, começamos a nos dar conta que tudo tem um custo, ou seja, se você consumiu ou jogou fora, não importa: saiu dinheiro do seu bolso.

Quanto menos você desperdiçar, menos você precisa comprar. E isso também é um fator muito importante!

Como a gente come em casa todos os dias, já temos uma noção da quantidade de comida que usamos. Facilita na hora de comprar e de cozinhar.

Adotamos também alguns hábitos saudáveis, como uma composteira para cascas de frutas e verduras, uma pequena hortinha, e diminuímos a quantidade de carne.

Aplicativos de celular ajudam

Com tanta notinha de supermercado, comecei a ficar perdida. Recorremos aos aplicativos. O que mais nos agradou foi o Minhas Economias. Está disponível pra Android e IOS, e é gratuito.

Aplicativo de controle de despesas
Aplicativo que usamos: Minhas Economias | Foto: Mallê

Com uma interface limpa, bonita e organizada, ele permite lançar todas as receitas e despesas. Tem uma infinidade de categorias para cada gasto, e ainda permite cadastrar outras. Na tela principal, mostra gráficos que tornam tudo mais visual, e te permitem avaliar com o que você mais gasta (alimentação, saúde, lazer, etc).

Você pode inclusive estabelecer metas nele e acompanhar.

Brincadeiras e jogos com meta

O ideal é que mesmo com uma única pessoa responsável pelas finanças, todas as pessoas da casa estejam por dentro do planejamento financeiro pra viajar. Todos têm que entender o motivo pelo qual a economia é tão importante, e cooperar.

Aqui em casa, fazíamos desafios. Se a gente conseguisse diminuir o valor da conta de energia, teria hambúrguer par comemorar! E assim tomo mundo se empenhava em não deixar luz acesa ao sair dos cômodos ou em diminuir o tempo no banho.

Outra forma de tentar economizar é o desafio das 52 semanas. Imprimimos a tabela pro Gilberto guardar as moedas, mas hoje em dia tem até aplicativo pra marcar as semanas. Dá uma olhadinha nesse post do blog Quanto Custa Viajar, sobre esse desafio!

Viajar é prioridade pra você?

Viajar sempre foi nosso sonho, por isso, sempre foi prioridade. Se você deseja de fato viajar mais, deve incluir isso no seu orçamento e levar a sério assim como qualquer outra despesa.

É claro que vez ou outra a gente precisa tirar um pouquinho da caixinha de viagens, quando acontece alguma emergência. Mas sempre cientes que é preciso repor assim que possível!

Anote o que você ganha, suas despesas mensais, e faça seu planejamento financeiro pra viajar. Cada caso é um caso, mas a gente espera ter contribuído de alguma forma para que seu sonho saia do papel!